logo logo

Editoral

Cabrália: Comunidade se une para restaurar Igreja Matriz negligenciada pela prefeitura

Em um gesto de fé e preservação cultural, a comunidade católica de Santa Cruz Cabrália tomou uma iniciativa diante da inércia da gestão Agnelo Santos: decidiram pintar por conta



Situação atual da Igreja Nossa Senhora Conceição em Cabrália

Em um gesto de fé e preservação cultural, a comunidade católica de Santa Cruz Cabrália tomou uma iniciativa diante da inércia da gestão Agnelo Santos: decidiram pintar por conta própria a Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, um dos símbolos turísticos e espirituais mais importantes da cidade. Esta ação surge após repetidos pedidos para a renovação da igreja terem sido negados pelo governo municipal, inclusive no ano passado, às vésperas da comemoração da tradicional festa da padroeira.

Pintura conhecida da Igreja com a fachada branca

Construída no início do século XVII, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, uma das primeiras construções jesuíticas do Brasil, é reconhecida por sua beleza singular e simplicidade, características marcantes das obras jesuíticas. Situada na parte alta de Cabrália, ela se destacava no cenário histórico pela sua fachada branca que, além de ser um exemplar marcante da arquitetura sacra colonial, simboliza um ponto de paz e contemplação que contrasta com o descaso atual da gestão Agnelo Santos.

Publicidade

A Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, com suas paredes outrora brancas agora desgastadas pelo tempo, simboliza mais do que uma estrutura física; ela é um lembrete vivo da rica história religiosa e cultural de Santa Cruz Cabrália. A iniciativa dos fiéis e da comunidade em revitalizar a Igreja, não apenas restaura sua beleza física, mas também reafirma a fé e o compromisso da população com seu patrimônio histórico e cultural, reacendendo a chama do turismo e do orgulho em Cabrália.

Caso você deseja ajudar na pintura da Igreja, a Paróquia Nossa Senhora disponibilizou um Pix com QR CODE, sendo possível ajudar com qualquer valor.

. . .

Veja também: